Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração

Vila Formosa - São Paulo - Brasil

DILATAR O NATAL: crescer na Fé e na Esperança!

CapaO Natal, que em breve celebraremos, é uma festa singular. Ela é tão singela que se expande no tempo, se propaga no espaço. Do ponto de vista civil, já antes do dia vinte e cinco de dezembro muitos se preparam para o Natal. As casas são enfeitadas, as sacadas e varandas iluminadas. O burburinho e as tradicionais melodias natalinas são ouvidos em muitos ambientes. O comércio, como de práxis, já se alvoraça para angariar novos consumidores.

Na perspectiva religiosa, com mais profundidade e razão a festa do Natal se dilata no tempo, se delonga no coração e na história das pessoas. Basta notar que com sabedoria a Igreja prepara-se para o Natal com a celebração do advento e após essa data ePe. Reuberson Ferreira, MSC – Pároco e Reitor do Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração.stende a mesma alegria pela oitava do Natal e encerra o tempo natalino com a Festa do Batismo do Senhor. De fato, o Natal não é uma festa de um único momento, mas é um evento que abre possibilidades muito maiores.

Nesse sentido, meu apelo neste final de ano é que a Festa do Natal seja tão mais ampla quanto possível em nossa paróquia, em nossa vida e em nossas casas. Jesus que se fez homem, quando encarnou em Belém, é a razão de nossa esperança. Ele, que depois padecerá numa cruz e ressuscitará ao terceiro dia, é o motivo principal de nossa fé. Assim, dilatar o Natal é crescer na Esperança e na Fé.
Rogamos, pois que nossa Fé se aprofunde, particularmente na Eucaristia, pois no próximo ano viveremos um ano Eucarístico Paroquial em preparação ao Congresso Eucarístico Nacional. Igualmente suplico que aumente em nós a esperança de um ano de renovador ardor pastoral e missionário. Que nossas atividades sejam realizadas, que a Festa de Nossa padroeira seja vivida com intensidade e, sobretudo, que esta pandemia seja vencida.

Com Fé e Esperança renovadas, sigamos animados na caminhada de construção do Reino de Deus. Feliz e Santo Natal a todos!

Pe. Reuberson Ferreira, MSC
Pároco e Reitor do Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração.


Eucaristia é real, não virtual

Jornal-ReubersonO Papa Francisco, recentemente, declarou a necessidade dos cristãos-católicos voltarem a Missa. Ele dizia, “voltem à Missa, a Eucaristia é real, não virtual.” De fato, a Eucaristia é um imperativo concreto, real, prático. Pode-se até fazer comunhão, mas não chegará à Eucaristia sem um encontro real, com o Corpo de Cristo presente nas espécies de pão e vinho.

O arrefecer da pandemia, embora ela inda seja concreta e extremamente letal, veio acompanhado de um numeroso grupo de fiéis que retomou às Missas, a Comunhão Eucarística. Na mesma proporção houve um grupo, que não trilhou o mesmo caminho. Incluso afastou-se da Eucaristia, tranquilizando-se com a ideia que podem participar de Missa pelas vias on line. É lícito que alguns reservem-se o direito de se resguardarem por medo da pandemia, mas não é justo que o discurso de precaução se torne uma desculpa bonita para não frequentar o Sacramento. Nesse sentido, o apelo de Francisco é urgente, voltemos a Missa, a Eucaristia!

Ademais, deve-se recordar que participar da Eucaristia – ao menos dominical – é um preceito, uma regra da Igreja. Preceito entendido não como uma imposição, mas como uma necessidade vital. Tal como é um preceito que se tome água e ninguém está obrigado a tal, mas há um natural desejo dela. Precisamos, igualmente, de maneira vital da Eucaristia. Nós a amamos, e por isso devemos buscá-la. Ir a Missa é um preceito!

Nesse sentido, urge reanimarmos no amor primeiro, o Amor pela Eucaristia. Voltar a esse encontro, concreto real, contínuo e semanal, na Eucaristia dos Domingos que é um preceito. Em nosso Santuário é celebrada profusamente em vários horários.

Pe. Reuberson Ferreira, MSC
Pároco e Reitor do Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração.


Júlio Chevalier, sempre atual!

Capa-2_fundo ampliadoVinte e um de outubro é uma singular data para a Família Chevalier. Ela recorda a memória da Páscoa definitiva do seu fundador o francês João Júlio Chevalier (1824-1907). Um visionário sacerdote que contemplou na encarnação do filho de Deus a mais excelsa prova de amor do Senhor pela humanidade.

Tal amor, deveria ser comunicado de forma ostensiva e intensiva ao mundo. Ele consignou esse ideal sob o epiteto: Amado seja por toda parte o Sagrado Coração de Jesus e pediu aos membros de sua família que fossem missionários desse amor.

De fato, ao longo de mais cento e sessenta anos, os membros da Família Chevalier buscaram e ainda buscam testemunhar esse ideal. Prova viva é que ao largo da história muitas pessoas foram tocadas pelo anúncio feito por esses abnegados homens e mulheres. Ademais, muitos deles, doaram a própria vida para que a humanidade entendesse que o amor de Deus é a panaceia dos males de todos os tempos.

O projeto do Padre Chevalier segue ainda sendo um modelo para o momento atual. Ainda se faz necessário, num mundo marcado pelo indiferentismo e pelo egoísmo, testemunhar o amor de Deus. Este entendido de maneira ampla e concreta como o único capaz de curar a humanidade dos seus maiores limites. Que podem ser resumidos na necessidade de ser perdoado, de viver em paz, de gozar de sentido para vida ou de ter suas necessidades físicas e espirituais saciadas.

Rezemos para que a humanidade se abra ao amor de Deus. Que o nosso Santuário, que é assistido pelos Missionários do Sagrado Coração, Filhos do Padre Júlio Chevalier, possa, por orações e ações, testemunhar o amor sempre eloquente do nosso Deus.

Pe. Reuberson Ferreira, MSC 
Pároco e Reitor do Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração.


Memória e Solidariedade

CARTÕES POSTAIS

cartoesAlguns hábitos pela caducidade no tempo ou por não serem mais necessários, acabam sendo substituídos por outros. Por exemplo, os modernos computadores substituíram as máquinas de escrever; disquetes deram lugar aos pendrives e hoje às nuvens de armazenamento; as ligações de orelhões, foram substituídas pelas mensagens instantâneas; as páginas amarelas ou os guias das cidades, deram espaço aos modernos sistemas de posicionamento global (GPS). Não obstante essa evolução, algumas coisas ainda guardam um sabor nostálgico dentro de nós e podem facilmente conviver com as invenções do nosso tempo.

A título de ilustração, você ainda lembra o que é cartão postal? Alguns não! Nem mandaram, nem receberam. Por essa razão a Equipe do Santuário e da Revista de Nossa Senhora do Sagrado Coração está lançando uma coleção “vintage” de postais, pois algumas tradições nunca perdem espaço em nossa história. Com os postais, trata-se de ter em nossa casa um “pedacinho” da Casa da Mãe.

Lançamos uma primeira série de postais. Intitulamos de COLEÇÃO MEMÓRIAS. São lindos postais de nosso Santuário. Dá para colecionar, presentear e enviar para quem você ama. Reviver uma tradição, que em nada nos desloca da vida moderna, pelo contrário, nos engrandece e mostra o zelo e o respeito pela história, pela tradição. Além de ser algo próprio do Santuário que é sua Casa!

Ademais, esses postais são uma forma de solidariedade. Nosso Santuário, como toda sociedade, vive um momento crítico de sua vida financeira. Temos inúmeras necessidades e não conseguimos fazer frente a muitas delas. Por isso, adquirir um postal é uma forma de ajudar-nos a honrarmos os compromissos desta comunidade além de preservar um pouco da nossa história.

Você pode adquirir seu postal na secretaria paroquial, ao final das Missas ou ainda pelos telefones: (11) 2211-0448 ou whatsapp: (11) 4279-7400. Não perca essa oportunidade de ser solidário e guardar a memória da história do Santuário em sua casa.

Pe. Reuberson Ferreira, MSC
Pároco e Reitor do Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração.

 


Um lembrai-vos, uma vocação!

Jornal AgostoA reflexão e a oração pelas vocações sempre foi pauta para a Igreja. Inspirados pelo apelo de Jesus de suplicar que o Pai envie operários para messe (Mt 9, 38), a Igreja sempre rogou por vocações. No Brasil, logo após o Concílio Vaticano II, sobretudo face à escassez de vocações muitas iniciativas em favor do despertar vocacional foram executadas.

Na década de setenta, uma diocese do Rio Grande do Sul, encetou uma bela experiência de celebrar um mês em favor das vocações. Dez anos depois, na esteira da fecunda ação dessa Diocese Gaúcha, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) estabeleceu que o mês de agosto seria o tempo de especial oração pelas vocações em todo o Brasil.

Atualmente a chegada deste mês aquece nossa alma de um fervor cristão e de um compromisso de rezarmos pelas vocações. Sabemos que o chamado vocacional é sempre uma iniciativa divina e está associado a uma missão. Destarte, os vocacionados e vocacionadas são chamados por Deus a tomar parte da missão divina de anunciar o Evangelho que pode ser concretizado nos diversos modos de vida: Matrimônio, Vida Religiosa, Laicato Consagrado e Sacerdócio.

Nesse sentido é sempre oportuno desafiar nossa comunidade paroquial para a oração concreta e profunda pelas vocações. Somos um Santuário que está sobre orago de Nossa Senhora do Sagrado Coração. Ela é a Mãe das vocações. Por isso desafio cada agente de pastoral ao longo desse mês a rezar a oração do “Lembrai-vos” pelas vocações. Seja pela sua própria vocação na vida familiar. Seja por aqueles que abraçaram outros ministérios. Suplicando sempre que sejamos fiéis ao chamado de Deus e que o sirvamos com alegria na Igreja, comunidade de fé. Amém!

Pe. Reuberson Ferreira, MSC
Pároco e Reitor do Santuário de Nossa Senhora do Sagrado Coração.


Página 1 de 41234